Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Blog da Catraia

que, na realidade, agora são duas... Uma Catraia minhota de coração, lisboeta por obrigação, juntou-se à primeira, nortenha de berço e coração para, juntas - YUPI! - partilharem um blog:)

Blog da Catraia

que, na realidade, agora são duas... Uma Catraia minhota de coração, lisboeta por obrigação, juntou-se à primeira, nortenha de berço e coração para, juntas - YUPI! - partilharem um blog:)

Um Terminal onde se deve ir - 4450!

Já tinha ouvido falar no Terminal 4450 e até já tinha visto fotografias daquelas que nos fazem salivar em seco, mas uma coisa é uma imagem, e até palavras, outra coisa é ter as nossas papilas gustativas a provar as iguarias... e, portanto, na semana passada resolvemos mandar a chuva às urtigas e ir jantar fora!

O espaço do Terminal 4450 é, de facto, diferente. Desde a entrada da rua, em que entramos num antigo terminal de passageiros, como se fossemos mesmo de viagem, até à entrada do restaurante, com um balcão de "check-in" e uma série de malas à espera que as carreguem. E é já com o "passaporte carimbado" que entramos na sala principal.

À entrada da sala, um bar de cocktails, com uma zona lounge de sofás, mas também algumas mesas altas para quem quer comer umas tapas e beber algo mais rápido. Depois disso, a sala de jantar com uma vista incrível para o Porto de Leixões. As cadeiras são aconchegantes, as luzes quentes (à noite) e a decoração muito clean, com muita madeira, mas cheia de pormenores que nos fazem parar e apreciar a visita. É uma steakhouse com um twist que faz toda a diferença!

 

 

A ementa é simples, o complicado mesmo é escolher. Há petiscos tradicionais como as papas de serrabulho, salsichas artesanais, e carnes maturadas, muita carne, já que no passaporte da ementa peixe não entra (e com isto acabei de rimar)!

E para nós foi mesmo complicada a escolha... a sorte é que, enquanto escolhíamos, fomos presenteados com um miminho da casa - umas pipocas de chouriço que eram, no mínimo, viciantes, e que explicavam as várias dedadas de gordura na ementa... quem lá vai passou pelo mesmo! 

Depois de muito pensar, acabamos por pedir uma entrada pouco habitual: uns cornichóns e cebolinhos, acompanhados com dois tipos de pão diferentes e broa (que era deliciosa) e que nos surpreendeu. Leve, cheia de sabor a pickle caseiro, e que cortou maravilhosamente o sabor das pipocas para nos preparar para o grande momento.

Sim, é verdade, grande porque perdemos a cabeça e pedimos o Costeletão, que vem servido com três acompanhamentos à escolha - pedimos anéis de cebola fritos, coleslaw (que fica óptima misturada com a cebola) e tiras de polenta frita (estavam boas, mas acabavam por enjoar um pouco), mas fiquei de olho no esparregado e no feijão preto, confesso. A carne tinha um sabor e qualidade incríveis e estava super bem cozinhada (mal passada como pedimos).

E para sobremesa? Para sobremesa pedimos A Bola de Berlim, deliciosa mas extremamente doce, daquelas que só mesmo para gulosos experientes e, de preferência, para dividir (diria eu!) e o Petit Gateau de abóbora com gelado de queijo de cabra e amêndoas, esta sim, a sobremesa perfeita, feita na hora, e servida num contraste quente e frio perfeito para um fim de jantar.

 

terminal4450.jpg

 

Ah! E para beber pedimos um jarro de sangria tinta que estava muito boa, super fresca e com o balanço certo de açúcar!

Obrigada Terminal 4450 por um jantar fantástico que nos deixou, definitivamente, a salivar para a próxima vez!

 

2 comentários

Comentar post