Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Blog da Catraia

que, na realidade, agora são duas... Uma Catraia minhota de coração, lisboeta por obrigação, juntou-se à primeira, nortenha de berço e coração para, juntas - YUPI! - partilharem um blog:)

Blog da Catraia

que, na realidade, agora são duas... Uma Catraia minhota de coração, lisboeta por obrigação, juntou-se à primeira, nortenha de berço e coração para, juntas - YUPI! - partilharem um blog:)

Correr, sim, porque preciso.

Sei que correr está na moda. 

Está na moda comprar sapatilhas especiais e coloridas, roupa com tecnologias que isolam do frio ou que asseguram uma boa transferência da transpiração para o exterior, acessórios para o telemóvel, aplicações que controlam o tempo da corrida, a velocidade e até a desidratação, e tantos outros acessórios e equipamentos que, supostamente, nos ajudam a fazer parte da comunidade e a correr "melhor".

Mas correr, pelo menos para mim, é muito mais do que isso. 

Já vos falei aqui do que senti ao cruzar a meta na Corrida de São Silvestre. Foi um sentimento de realização único, porque ultrapassei os meus limites, ou pelo menos aqueles que eu achava que tinha. Fui capaz. E não há nada como esse sentimento de realização, que, é certo, não se tem apenas com a corrida. Mas a verdade é que correr é simples, é fácil, é imediato. Correr é sentirmo-nos livres, sentirmo-nos capazes de ultrapassar as nossas próprias expectativas, é sentir o vento na cara e, com ele, um arejar do espírito.

É por isso que corro, porque preciso.

E, passando a publicidade, acho que não havia melhor imagem do que esta para ilustrar aquilo que para mim é correr. É disfrutar desta dádiva.

E vocês, o que significa por aí a corrida?

 

a Catraia "nortenha"

1 comentário

Comentar post