Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blog da Catraia

que, na realidade, agora são duas... Uma Catraia minhota de coração, lisboeta por obrigação, juntou-se à primeira, nortenha de berço e coração para, juntas - YUPI! - partilharem um blog:)

Blog da Catraia

que, na realidade, agora são duas... Uma Catraia minhota de coração, lisboeta por obrigação, juntou-se à primeira, nortenha de berço e coração para, juntas - YUPI! - partilharem um blog:)

Coisas minhas (Saboreando Chagall)

Este poema foi a primeira vez, e arriscava-me a dizer a única, que escrevi com inspiração num objecto exterior a mim, e que não resultou da minha imaginação... O desafio surgiu da participação no Atelier de Poesia dinamizado pelo Poeta Paulo Teixeira, no âmbito do Projecto Escritores na Escola, em 2003. Ai! Como o tempo passa!!!

Espero que gostem!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Saboreando Chagall [ “Dois amantes em Paris”]

A menina da noite azul perdido

acende a lua, como se soprasse

velas de um qualquer altar ao mundo.

 

A noite traz consigo a calma das sombras,

e a cidade, ao longe, lembra pinceladas de aguarela,

feitas por um poeta à luz da última cera.

 

O vento sopra atrás dela, parecendo mimar

os cabelos imaculados de uma idade que já ninguém lembra.

 

Aproxima-se da menina noite,

e pede-lhe que, juntos, sufoquem o tempo,

não o deixem ser momento.

 

E assim, aquele pedaço de noite escura

permaneça, sorriso na alma, vestes celestiais no chão.