Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blog da Catraia

que, na realidade, agora são duas... Uma Catraia minhota de coração, lisboeta por obrigação, juntou-se à primeira, nortenha de berço e coração para, juntas - YUPI! - partilharem um blog:)

Blog da Catraia

que, na realidade, agora são duas... Uma Catraia minhota de coração, lisboeta por obrigação, juntou-se à primeira, nortenha de berço e coração para, juntas - YUPI! - partilharem um blog:)

Coisas minhas (o inacabado)

Uma coisa minha que tem nome de inacabado, mas é final, e que foi inspirada na velhice. Naquela velhice que infelizmente ainda existe. A velhice marcada pela solidão no espaço, mas também, e sobretudo, pela solidão do coração, a solidão de quem já não tem família ou de quem a família (se é que se pode chamar assim nestes casos) abandonou. A velhice de quem espera a morte porque já não vê sentido em existir. A velhice que nenhum de nós quer ter.

 

Copyright Jo Farrell

 

Poema inacabado

 

A velha que segura nas mãos o peso da vida

que a empurra para o chão,

vive no sufoco do tempo que já passou.

A voz embarga as palavras que não saem.

As que diz, suga-lhes a vida deixando murmúrios.

A vida que a morte renegou, deixou-lhe o olhar

[vazio.

Ficaram as estórias que amassa e molda

[no caleidoscópio do tempo, quando ele não está lá.